Sobre

Este Blog foi criado no ano de 2007, administrado por Magnum Silva, 27 anos, Acadêmico em Direito pela universidade Estácio de Sá. E-mail: redacaomgm@gmail.com

.

.

terça-feira, 27 de junho de 2017

Vem aí a ExpoKennedy 2017

O município de Presidente Kennedy se prepara para a 23ªExpoKennedy que será realizada entre os dias 05 e 09 de julho, no Parque de Exposições Afonso Costalonga, na Sede do município.

Com uma mega estrutura, estacionamento amplo, programação com cinco shows nacionais, a ExpoKennedy 2017 promete atrair mais de 100 mil pessoas, sendo a edição mais esperada de todos os tempos.

Além dos shows, a prefeitura trará muitas outras atrações, como rodeio, comercialização de produtos da agroindústria, concurso leiteiro que esse ano se estende a 70 pecuaristas.

Os megas shows nacionais  são com Naiara Azevedo na quinta-feira (06/07), Munhoz e Mariano na sexta-feria (07/07), Thiago Brava no sábado (08/07) e  fechando as festividades Fernando e Sorocaba no domingo (09/07). A entrada é franca.

Mesmo com policiamento reforçado, o evento contará com seguranças particulares e policiais à paisana no meio do público, para garantir uma festa sem grandes ocorrências.

quinta-feira, 18 de maio de 2017

33ª Expo Conceição de Macabu 2017


Local: Parque de Exposição
Cidade: Conceição de Macabu
Data: 25,26,27 e 28 de maio
Horário: 19:00
Entrada Franca

quinta-feira, 4 de maio de 2017

Transtornos mentais, o acidente de trabalho que ninguém vê!

reprodução




Quando se fala em acidente de trabalho, a primeira referência são os chamados acidentes de trabalho típicos – aqueles decorrentes do exercício do trabalho e que provocam lesão corporal ou perturbação funcional. Mas as estatísticas englobam também as doenças profissionais (aquelas que resultam diretamente das condições de trabalho, como a silicose ou a perda auditiva) e as doenças do trabalho – resultantes da exposição do trabalhador a agentes ambientais que não são típicos de sua atividade.

É nessa última categoria que se inserem os transtornos mentais relacionados ao trabalho – um mal invisível e silencioso, mas que vem sendo detectado há anos pela Previdência Social como causa de afastamento do trabalho. Em 2016, o número de trabalhadores que receberam auxílio-doença acidentário (benefício em que o INSS identifica que a doença foi provocada pelo trabalho) subiu 4,67% em relação a 2015, atingindo 2.670 pessoas.

Transtornos de humor, como a depressão, transtornos neuróticos (síndrome do pânico e estresse pós-traumático, por exemplo) e o uso de substâncias psicoativas, como o álcool e as drogas, são os principais transtornos mentais que causam incapacidade para o trabalho no Brasil. Segundo o professor Duílio Antero de Camargo, do Setor de Saúde Mental e Psiquiatria do Trabalho do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, essas patologias, comumente, se desencadeiam a partir do chamado estresse ocupacional, ocasionado por fatores como cobrança abusiva de metas e assédio moral. “Há muita cobrança, muita competitividade nos ambientes corporativos, e a pressão que se forma leva às alterações”, afirma.

Com a proposta de dar visibilidade ao problema, o Programa Trabalho Seguro, da Justiça do Trabalho, o elegeu como foco de sua atenção prioritária, em 2017. O presidente do TST e do CSJT, ministro Ives Gandra Martins Filho, explica que a ideia foi abordar uma doença que está se generalizando em muitos ambientes de trabalho. "Temos uma pressão muito grande de exigência de produtividade e de competição, e assim começam a aparecer novas doenças", afirma.

A coordenadora do Comitê Gestor Nacional do programa, ministra Maria Helena Mallmann, reitera que os problemas de ordem psicológica ou psiquiátrica são responsáveis por um número considerável de afastamentos, que vem crescendo em função das exigências da sociedade moderna. Os grandes fatores são o estresse e a depressão, “a grande epidemia do século XXI, segundo especialistas”, afirma. Segundo Mallmann, o assédio moral é um dos grandes desencadeadores do adoecimento de trabalhadores no campo comportamental.

Maria Helena Mallmann considera que a identificação desses transtornos e do nexo de causalidade entre eles e o trabalho é um grande desafio para a Justiça do Trabalho. Casos julgados recorrentemente pelo TST exemplificam essa intricada relação do ambiente de trabalho com a saúde mental.

Muitas vezes, a relação é clara. É o caso do processo que envolve um engenheiro mecânico da Petróleo Brasileiro S. A. (Petrobras) que desenvolveu esquizofrenia em decorrência de um acidente grave ocorrido em 1984 na plataforma de Anchova, na Bacia de Campos, que resultou na morte de 37 trabalhadores. Hoje aposentado, ele contou no processo que passou por diversas internações devido aos problemas psicológicos originados pelo acidente.

A perícia do INSS diagnosticou seu caso como esquizofrenia paranoide, caracterizada pela ocorrência de “ideias delirantes, frequentes estados de perseguição, alucinações auditivas e perturbações das percepções”, exigindo o uso contínuo de medicamentos controlados, como Rohypnol, Lexotan e Gardenal. Uma vez estabelecido o nexo de causalidade e a incapacidade total para o trabalho, o Tribunal Regional da 1ª Região condenou a Petrobras a indenizá-lo em R$ 100 mil, decisão mantida pela Sexta Turma do TST, que rejeitou recurso da empresa para reduzir o valor.

Em outro caso, a conclusão foi diversa. Uma bancária do Itaú Unibanco S. A. Também pedia indenização por dano moral sustentando que seu quadro depressivo teria o trabalho como concausa ou causa concorrente – situação em que as atividades exercidas potencializam ou agravam doença preexistente. No seu caso, porém, a perícia médica identificou que as causas da depressão eram “genéricas e constitucionais, influenciáveis por medicamentos como os corticoides, e por circunstâncias sociais e laborativas”. Não foi conclusiva, portanto, quanto à relação de causalidade com o trabalho desempenhado, necessária para a condenação do banco.

Entre outros pontos, a perícia constatou que havia histórico de depressão na família e que a trabalhadora não apontou algum evento específico ocorrido no trabalho capaz de estabelecer qualquer relação com o agravamento de seu quadro. Os depoimentos das testemunhas também não evidenciaram a prática de conduta abusiva ou arbitrária capaz de provocar o agravamento do transtorno, revelando apenas a ocorrência de “situações inerentes a qualquer ambiente de trabalho, sujeito a contratempos e nem sempre em consonância com os anseios e as expectativas do empregado”. Nesse contexto, o recurso não foi conhecido pela Sexta Turma.

Contagem regressiva para a XXXIII Exposição Agropecuária de Conceição de Macabu



Evento acontece entre os dias 25 e 28 de maio, no Parque de Exposição Otto Guimarães Linhares

Máquinas de terraplanagem traçando a pista de motocross, o vai-e-vem do rolo de tinta, grama sendo roçada, os reparos na rede elétrica. Este é o cenário atual do Parque de Exposição Otto Guimarães Linhares, de Conceição de Macabu/RJ. Todo esse preparativo é por conta da XXXIII Exposição Agropecuária de Conceição de Macabu que acontece entre os dias 25 e 28 de maio.
Essa edição será realizada pela Prefeitura Municipal de Conceição de Macabu, com o apoio da Fecomércio e do Sincomércio. As definições dos shows e da companhia de rodeio ainda dependem do processo burocrático, conforme de praxe. Em breve, as atrações serão divulgadas.
O evento vai contar com Motocross, Shows, Concurso GIR Leiteiro, Concurso Nelore, Leilão de Gado, Companhia de Rodeio, Boate, Galpão Comercial, Prova de Tambor Feminino e outros.
As crianças poderão se divertir andando de charrete e pônei, da Fazendinha. Também, como em toda a edição, haverá Parque de Diversão, durante todos os dias do evento.

A abertura oficial acontecerá no dia 25, às 8h, com o Hasteamento da Bandeira, na entrada do Parque de Exposição.

O prefeito Cláudio Linhares ressalta a importância da realização desta festa para a cidade. “Além do aspecto histórico e de tradição, é um evento que simboliza um segmento produtivo que representa muito em nossa economia e em nosso desenvolvimento. Sem falar que a Expo Macabu é um evento economicamente favorável. Trata-se da maior festa da cidade, que atrai centenas de turistas que circulam no município em todo o período do evento, movimentando o capital, por meio de pousadas, bares, restaurantes, entre outros. Inclusive, o reflexo já pode ser sentido antes do evento, pois, a Expo Macabu já está aquecendo o comércio, principalmente o de vestuário e calçado”, concluiu o prefeito.

sexta-feira, 7 de abril de 2017

Gerente de banco é demitido após publicar fotos com o noivo em rede social, denuncia sindicato



O Sindicato dos Bancários e Financiários de São Paulo, Osasco e Região faz uma denúncia preocupante.

Segundo a entidade, um gerente do banco Itaú foi demitido na semana passada por ser homossexual e publicar nas redes sociais fotos com o noivo. O trabalhador, ressalta o sindicato, tinha resultados de produtividade acima da média.

O rapaz não teve o nome divulgado. O caso ocorreu no Núcleo de Relacionamento de Gerentes, no centro administrativo da instituição financeira, conhecido como ITM.

Com um ano e seis meses de banco, o então gerente de relacionamento Uniclass/PF diz ter recebido 10 prêmios por cumprimento de metas, sempre com resultados bem acima da média. Com o destaque, vieram também as primeiras reações discriminatórias.


“Me repreendiam dizendo que eu me ‘soltava demais’ quando ganhava um prêmio, e que esta postura não é adequada. Também diziam que minhas roupas não eram as ideais para o trabalho, que meus ternos não estavam dentro dos padrões”, relembra o trabalhador.



Ainda segundo o sindicato, a discriminação homofóbica chegou ao limite na última semana, quando ele voltou de férias, período em que ficou noivo e postou vídeos e fotos sobre o tema nas redes sociais. O trabalhador conta que foi chamado pelo gestor da área e informado que a demissão se devia a sua postura, que não era adequada.

A entidade informou que já repassou a denúncia ao setor de Recursos Humanos do banco e espera uma resposta sobre o caso.


“Não é a primeira vez que isso acontece no Itaú e, recentemente, denunciamos demissões de pessoas com deficiência. É preciso que o banco reveja suas posturas, e nós cobramos que esse tipo de coisa não aconteça novamente”, explica o dirigente sindical Fábio Pereira.
Posicionamento

Em nota, o Itaú Unibanco afirmou que repudia situações de homofobia, dentro ou fora da instituição.


“O banco possui valores sólidos e a diversidade faz parte deles. Entendemos a pluralidade como algo fundamental. Nossos clientes são diversos, portanto, nossos colaboradores também precisam ser. Além disso, possuímos o Ombudsman, um canal voltado aos colaboradores que tem como função escutar, registrar e avaliar questões relacionadas ao ambiente de trabalho, com total sigilo entre os envolvidos. Já enviamos comunicado ao Sindicato dos Bancários esclarecendo os reais motivos do desligamento, que nada tem a ver com a situação citada.”

Fonte: Jornal de Brasília



quinta-feira, 30 de março de 2017

Síndrome de Burnout (stress ocupacional) gera danos morais


Dallegrave Neto define o burnout como "um esgotamento profissional provocado por constante tensão emocional no ambiente de trabalho", ocasionado por um sistema de gestão competitivo, com sujeição do empregado às agressivas políticas mercantilistas da empresa. Segundo Michael P. Leiter e Christina Maslach "a carga de trabalho é a área da vida profissional que está mais diretamente associada à exaustão. Exigências excessivas de trabalho provenientes da qualidade de trabalho, da intensidade dos prazos ou da complexidade do trabalho exaurem a energia pessoal". Os autores também identificam que, do ponto de vista organizacional, a doença está associada ao absenteísmo (faltas ao trabalho), maior rotatividade, má qualidade dos serviços prestados e maior vulnerabilidade de acidentes no local de trabalho. A síndrome de burnout integra o rol de doenças ocupacionais do Ministério do Trabalho e Emprego. Está inserida no Anexo II do Regulamento da Previdência Social. O mencionado Anexo identifica os agentes patogênicos causadores de doenças profissionais ou do trabalho, conforme previsão do artigo 20 da Lei nº 8.213/91. Entre os transtornos mentais e de comportamento relacionados ao trabalho (Grupo V da CID-10) consta, no item XII, a síndrome de burnout - "Sensação de Estar Acabado (Síndrome de Burnout, Síndrome do Esgotamento profissional)", que na CID-10 é identificado pelo número Z73.0.

No caso específico dos autos, a gravidade do distúrbio psicológico que acometeu a reclamante é constatada pelas informações de natureza fática registradas no acórdão regional: longo período de afastamento do trabalho, com a concessão de benefício acidentário pelo INSS e o consumo de medicamentos antidepressivos, além de dois laudos periciais reconhecendo que a incapacidade laboral da autora é total, a doença é crônica e não há certeza sobre a possibilidade de cura. Por oportuno, este Relator já teve a oportunidade de se manifestar em matéria semelhante, em que se reconhece como passível de reparação por dano moral a exigência excessiva de metas de produtividade, isso porque o sentimento de inutilidade e fracasso causado pela pressão psicológica extrema do empregador não gera apenas desconforto, é potencial desencadeador de psicopatologias, como a síndrome de burnout e a depressão, o que representa prejuízo moral de difícil reversão ou até mesmo irreversível, mesmo com tratamento psiquiátrico adequado.

Atenta-se ao fato de que, além da observância ao meio ambiente de trabalho seguro e saudável, conforme assegura a Constituição Federal de 1988, imprescindível considerar, ainda, que cada indivíduo deve ser respeitado em sua singularidade, daí a necessidade de se ajustar o contexto ocupacional à capacidade, necessidade e expectativas razoáveis de cada trabalhador. O Tribunal Regional de origem, ao fixar o valor da reparação por danos morais em R$ 10.000,00 (dez mil reais), não atentou para as circunstâncias que geraram a psicopatologia que acarretou a invalidez da reclamante, oriunda exclusivamente das condições de trabalho experimentadas no Banco reclamado, período em que sempre trabalhou sob a imposição de pressão ofensiva e desmesurada, com o objetivo de que a trabalhadora cumprisse as metas que lhe eram impostas. Portanto, cabível a majoração do valor da indenização por dano moral para R$ 60.000,00 (sessenta mil reais). Recurso de revista conhecido e provido. (TST, Recurso de Revista, RR 9593320115090026, Rel. José Roberto Freire Pimenta, j. 29.04.2015)

Trabalhar em escritório pode aumentar o risco de doenças cardíacas

reprodução
Mas não é preciso se desesperar: para conseguir compensar você só precisa andar cerca de 11 quilômetros por dia, ou ficar sete horas em pé Gastar muito tempo sentado é pode ser ruim para o seu coração, segundo apontou o estudo publicado no International Journal of Obesity. A pesquisa encontrou uma ligação entre o trabalho sedentário, gordura extra na região abdominal e a probabilidade de doenças cardiovasculares. Mas se você é daqueles que trabalha em escritório, mas preza para uma vida saudável não precisa ficar desesperado. Tem um jeito de impedir que as doenças cardíacas não aconteçam: para compensar, é preciso caminhar pelo menos 11 quilômetros por dia, ou passar sete horas em pé. A pesquisa, que ocorreu entre setembro de 2006 e setembro de 2007, envolvendo voluntários do Royal Mail em Glasgow, envolveu 111 profissionais do correio, saudáveis, que foram equipados com monitores de atividade durante sete dias. Entre eles, 55 trabalhavam no escritório e 56 entregavam cartas nas ruas, e andavam o expediente todo. O estudo revelou que aqueles que tinham ficavam sentados, no escritório, registaram uma circunferência na cintura maior: 97 centímetros, sendo que os que passavam o dia todo se movimentando tinha uma média de 94 centímetros. Além disso, apresentaram uma diferença de uma unidade de índice de massa corporal. Fora os aspectos físicos, quem trabalhava dentro da empresa também tinha um risco mais elevado de adquirir uma doença cardiovascular: 2,2% a mais de chance em comparação com 1,6%, considerando um período de 10 anos.

A pesquisa também aponta que a circunferência da cintura pode aumentar em dois centímetros, e o risco de doenças cardiovasculares em 0,2%, para cada hora adicional que a pessoa ficar sentada. Leia também: Europa registra surto de sarampo após confirmação de 500 casos Caminhar pode previnir as doenças cardíacas O doutor William Tigbe, da Warwick Medical School da Universidade de Warwick, que liderou a análise, ponderou que mais tempo gasto em um trabalho sedentário significa uma barriga maior, triglicérides mais elevados, diminuição do colesterol ‘bom’, até o pior, que é o risco de doença cardíaca. "Quem não apresentou nenhum tipo de alteração negativa estava dando mais de 15.000 passos por dia, o que equivale a andar de 11 quilômetros, ou passar sete horas por dia em pé”, afirmou ele. O pesquisador acredita que as descobertas podem ser usadas como base de novos objetos de estudo para a saúde pública. "Contudo, os níveis sugeridos em nossa pesquisa seriam muito desafiadores se não fossem incorporados nas ocupações das pessoas", declarou Tigbe. Os participantes do estudo usaram um pequeno monitor de atividade física, que ficava preso à coxa, por sete dias. Eles também tiveram seu peso, altura e pressão arterial medida, e até amostras de sangue recolhidas.


Fonte: Saúde - iG